quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Descuido

Ela não quer saber do teu olhar
Não a ajuda o teu cuidar
Não quer saber teu bem querer
Não quer ouvir falar teu “crer”

Ela sente na alma o teu ser
De tanta falta o transparecer
Na distância se faz perceber
O amor que nunca há de ter

Não insistas quando a vir
Causa estranheza teu sentir
Lamento não diz do sentimento
Na verdade o que é acolhimento

Mas há um tempo para tudo redimir
No passado no futuro ou aqui
Se por acaso um dia descobrir
Entenderás enfim o que é sentir


terça-feira, 12 de setembro de 2017

A Saga

Minha saga de buscar
dizer a você meu verso
é uma estrada inspiradora
quanto mais me falta espaço
mais refaço minha força

Se esse verso é abstrato
não deixo mudar meu passo
vou seguindo e faço isso
para transformar seu riso
no mais puro realismo

Esqueci alguém que amei
fiz planos depois chorei
não esqueci quem me amou
trago sempre no meu peito
aquece a cama que me deito

Não se sinta esquecida
nem pense que é enganada
por eu não ir lhe dizer
que entre todas é você
a mais bela e doce amada

Também me senti ferido
lhe contei não é segredo
foi só vivendo o presente
que pude sem muito apelo
esquecer e vencer o medo

Saudade é passado previsto
lembrança que encanta é boa
mas temos de ter na mente
que para um futuro decente
é preciso viver o presente





domingo, 20 de agosto de 2017

Coração Frio

Coração frio palavras doces gestos amargos
Tua substância volátil teu terreno irregular
Juras amor eterno sem nenhum olhar de afeto
Sempre separado tão distante e sem abraço

Onde aprendestes ser capaz de desdenhar
Quem te ensinou não olhar em um olhar
Foste aprender coração frio não amar
Pra não sofrer fazes sofrer e não gostar

Sobes à montanha sem respirar o ar puro que há
Na beira da praia não deixas a água te tocar
Te escondes nas sombras sem o sol te iluminar
Nas ruas te apressas como tendo onde chegar

No porto que partiste há uma alma a soluçar
Esperando uma ressaca um barquinho a derivar
Trazer esta metade sem emoção pra completar
A metade que deixaste coração frio a esperar








sexta-feira, 2 de junho de 2017

O Caçador

    No interior do meu Brasil
    Surgiu um caçador diferente
    Munido de um power point
    E um desejo instigante
    De punir um brasileiro
    Que nunca foi meliante

    Usando de peripécia
    Por ser o mais intrigante
    Fez um roteiro perfeito
    Onde seu alvo primeiro
    Não teria como escapar
    nem ter onde se amparar
                               
    Usando a constituição
    Apoiando um pé de cadeira
    Acenou a grande mídia
    Que logo lhe deu guarida
    Fazendo o que ela sabe
    Que é repetir a mentira

    Mal informados e incautos
    Muitos cidadãos de bem
    Caíram numa armadilha
    Criaram falsa esperança
    De acreditar que é errando
    Que se pratica a justiça

    Com o desenrrolar dos fatos
    Agora com o reforço dos patos
    Adotou a comida mineira
    como única coisa certeira
    Queria comer queijo com doce
    E esquecer a mineirada faceira

    Desdenhando a história infalível
    Que repete acertos e erros
    Se mostrou herói imbatível
    Promulgando constituição a granel
    Para uns poucos tirava o chapéu
    Tranformando a justiça em bordel
   
 
 
 
   

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Memória

O que seria dos sabores sem ela
O que seria dos amores sem ela
O que seria dos cheiros sem ela
O que seria dos gostos sem ela

Ipreguinado lembro o sabor
Preenche todo corpo esse amor
Implícito perfume em teu corpo
Me proíbo saborear outro gosto

Uma vida feliz se reserva
Àquele que sabe contê-la
Que preserva um que de memória

Um resto acre-doce de sonho
Uma chama de não ao tormento
Dançando na chuva de vento