sexta-feira, 2 de junho de 2017

O Caçador

    No interior do meu Brasil
    Surgiu um caçador diferente
    Munido de um power point
    E um desejo instigante
    De punir um brasileiro
    Que nunca foi meliante

    Usando de peripécia
    Por ser o mais intrigante
    Fez um roteiro perfeito
    Onde seu alvo primeiro
    Não teria como escapar
    nem ter onde se amparar
                               
    Usando a constituição
    Apoiando um pé de cadeira
    Acenou a grande mídia
    Que logo lhe deu guarida
    Fazendo o que ela sabe
    Que é repetir a mentira

    Mal informados e incautos
    Muitos cidadãos de bem
    Caíram numa armadilha
    Criaram falsa esperança
    De acreditar que é errando
    Que se pratica a justiça

    Com o desenrrolar dos fatos
    Agora com o reforço dos patos
    Adotou a comida mineira
    como única coisa certeira
    Queria comer queijo com doce
    E esquecer a mineirada faceira

    Desdenhando a história infalível
    Que repete acertos e erros
    Se mostrou herói imbatível
    Promulgando constituição a granel
    Para uns poucos tirava o chapéu
    Tranformando a justiça em bordel
   
 
 
 
   

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Memória

O que seria dos sabores sem ela
O que seria dos amores sem ela
O que seria dos cheiros sem ela
O que seria dos gostos sem ela

Ipreguinado lembro o sabor
Preenche todo corpo esse amor
Implícito perfume em teu corpo
Me proíbo saborear outro gosto

Uma vida feliz se reserva
Àquele que sabe contê-la
Que preserva um que de memória

Um resto acre-doce de sonho
Uma chama de não ao tormento
Dançando na chuva de vento